Foto: Betty Moya

Pra mim, compor é sintonizar com outras dimensões. No lado prático, é a maneira que eu encontrei de me expressar, mas no lado filosófico é para evolução espiritual e pessoal. Criar é essencial pra mim, é o que me faz sentir vivo, útil”. E é assim que Bruno Conde, violonista, compositor, arranjador e professor de música, se sente ao fazer suas músicas.

show

Foto: Kelly Petraglia

O músico, desde pequeno, quando começou a aprender os primeiros acordes e a tocar músicas da lendária banda Legião Urbana, já começou a fazer suas primeiras canções. Como ele tinha o Legião como referência, ele compunha naquela pegada.

Então, em 2003, começou a tocar na noite como guitarrista de uma banda de rock e, por conta de alguns trabalhos que só pagavam duas pessoas, Bruno comprou um violão de aço. Aí que começa a história… Ele foi cruzando com pessoas que mudaram seu caminho (e repertório)! O primeiro foi Guilherme Marino. Quando começaram a tocar juntos, o cantor tinha em seu repertório clássicos da MPB, tipo Gilberto Gil, Tom Jobim, Caetano Veloso, Ivan Lins etc… Além disso, Guilherme lhe “apresentou” os novos da MPB, como costumamos chamar. Nomes como Marisa Monte, Paulinho Moska e Lenine estão entre eles. Então Bruno trocou o violão de aço pelo de nylon, deixou a unha crescer e nunca mais voltou ao início desse conto.

Em 2006, o músico conheceu o cantor Celso Lago e diz que ficou maravilhado, não só com a voz, mas com seu repertório. E o próprio Celso foi indicando os caminhos ao violonista, mostrando os grandes compositores. A partir daí o músico diz que nunca mais conseguiu voltar para o tradicional. “Você descobre um cara que canta, aí você pesquisa o compositor, daí descobre uma cantora relacionada a ele e isso nunca para, sempre tem mais gente para encontrar”.

Então Bruno, por conhecer o Celso, tocar e andar muito com ele, começou a compor imaginando o amigo cantando. Juntou algumas canções e eles lançaram o disco, chamado “Prisma”, em 2011.

pb

Foto: Kelly Petraglia

Em 2012, Bruno Conde se reuniu com os amigos Kleber Serrado e Theo Cancello e, juntos, começaram a compor para o que viria a ser o Trio Ekoa. Paralelo a isso, eles se juntaram com o cinegrafista André Nunes e lançaram um projeto piloto de um Web Programa, chamado “Projeto Galpão”. A ideia do projeto era os três chamarem um convidado: “A gente sempre acreditou nessa ideia do coletivo. Se eu chamo você, junto meu público com o seu, seu público com o meu, todos saem ganhando”. Nesse projeto, os caras se juntaram com, Zé Luiz Mazziotti, Filó Machado, Arismar do Espirito Santo, entre outros. Eles tocavam uma música deles e uma música do convidado.

Em maio de 2014, o trio EKOA fez duas apresentações com a ORQUESTRA JOVEM TOM JOBIM e seu maestro titular ROBERTO SION, que orquestrou duas canções de autoria do trio. Os registros audiovisuais desta apresentação estão disponíveis acessando o Web programa PROJETO GALPÃO.

Esse projeto e o show com a orquestra incentivaram o trio a gravar o álbum EKOA, palavra que vem do Tupy e significa “reunião de amigos”, “celebração dos bons encontros”. Eles gravaram a essência do CD todo em dois dias. Ele diz que depois disso ele começou a gravar tudo “sem cortes”. Sempre que errava, voltava tudo do início. Então em junho de 2015 o disco ficou pronto e, logo em seguida, eles foram para a Europa, onde realizaram alguns shows na Inglaterra e França. Ao retornarem, eles lançaram oficialmente, em novembro de 2015, o EKOA.

CONFINS

Inspirado em diversos artistas, Bruno resolveu começar a gravar seu segundo CD, o CONFINS, em que fez parceria com diversos artistas de todo o país. Ao todo, esse projeto envolveu mais de 30 artistas, em uma compilação de 11 canções autorais e uma do compositor Tennyson. Ele lançou as músicas nas plataformas digitais (YouTube Spotify, etc), criou os famosos lyric vídeos e foi mais além: criou um song book com as partituras das suas canções e, hoje, o CD está tocando na rádio USP. Escuta só a brasilidade do rapaz:

VIOLANDO

Em maio de 2015, o músico lançou a web série “VIOLANDO”, com arranjos inéditos para músicas consagradas. Em clima intimista, os vídeos foram gravados em um único “take”, sem cortes, priorizando a veracidade das interpretações. Atualmente a série é postada toda semana com o nome “VIOLANDO em casa”. Além das músicas solos, o “Violando em Casa” também conta com convidados instrumentistas. Confira alguns vídeos aqui:

BRUNO CONDE

Te garanto que vale muito a pena conhecer o trabalho dessa cara! Para isso, acesse seu site e redes sociais (links abaixo). E espalhe para seus amigos! E olha que legal! Ele deu uma canja para nós. Confere só:

Sitewww.brunoconde.com
YouTubewww.youtube.com/bconde85
Facebookwww.facebook.com/bconde85
Instagramwww.instagram.com/brunoconde85