As ruas de paralelepípedo e os prédios históricos do Centro, igrejas, teatro, museu. O maior porto da América do Sul, a praia e seu jardim. É cada vez mais comum os moradores reconhecerem paisagens e construções santistas no cinema e na televisão. Os cartões-postais da Cidade chamam a atenção das produtoras e Santos se consolida como destino para gravações de filmes, documentários, clipes, comerciais e locações fotográficas.

De 2008 até agora, 385 produções foram realizadas nas terras de Brás Cubas. A Santos Film Commission, agência de fomento criada pela Prefeitura em 2005, calcula que as produtoras deixaram cerca de R$ 7 milhões, no mesmo período, em serviços contratados no município, como em hotelaria e restaurantes, por exemplo.

O Centro Histórico é o ambiente preferido dos diretores. Dos 22 locais que já receberam gravações, 13 ficam no bairro onde o Município nasceu.

O Rio é aquicenario-filmes

De janeiro até este mês já foram 23 gravações na Cidade. E o número não para de crescer. Na próxima semana a Paris Filmes começa a rodar um longa-metragem em Santos. As belezas do Centro Histórico e seus casarios representarão São Cristóvão e outros bairros do Rio de Janeiro em meados do século 20. O filme é baseado na biografia de um famoso religioso brasileiro.

A produtora executiva da Maria Farinha Filmes, Juliana Borges, trabalha com filmes publicitários e reconhece na arquitetura do Centro, um ambiente que permite se passar por cidade europeia. Além da beleza cenográfica, ela elogia o apoio da Santos Film Commission, que dá suporte técnico, disponibilizando desde banco de dados com informações até a proteção da guarda municipal durante as gravações.

Cidade Criativa da Unesco em cinema

Desde dezembro de 2015 Santos se mantém como o único município do Brasil a fazer parte da rede de cidades criativas em cinema da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Apenas oito municípios em todo o mundo possuem esse título.

Santos conquistou esse posto devido a uma soma de fatores, como ter cerca de 300 imóveis protegidos como patrimônio histórico, grande produção cinematográfica, cursos de formação em cinema, festivais como o Curta Santos, o trabalho social do Instituto Querô, a Santos Film Comission, três salas públicas de cinema e 22 particulares, além de sessões em espaços alternativos como as tendas de verão da orla, a Concha Acústica e a Cinemateca.