A exposição Pluralidade leva à Casa do Trem Bélico (Rua Tiro Onze, 11, no Centro Histórico) oito obras do acervo da Prefeitura Municipal de Santos (PMS). Com curadoria da Coordenadoria de Museus e Galerias (Comug) da Secretaria Municipal de Cultura (Secult), a mostra apresenta uma fração da variedade de estilos que fazem parte desse rico patrimônio artístico da Cidade. Aberta a partir desta sexta-feira (15), com visitação até o dia 31 de agosto, de terça a domingo, das 11h às 17h.

Conjunto de 892 trabalhos, o acervo de obras de arte da PMS começou a ser formado a partir de meados de 1960, com doações dos artistas e aquisições de Salões e Bienais de Arte.  Possui obras de diversos períodos, suportes e técnicas. A acervo dispõe de trabalhos assinados por Ianelli, Sendim, Pellegatta, Mario Zanini, Henrique Amaral, Araquém Alcântara, Geraldo Lara, Guiomar Fagundes, Luiz Hamen, Marcos Trancoso, Fabrício Lopes e Anderson Camargo, em pinturas de óleos sobre tela e acrílicas, além de gravuras, esculturas e fotografias.

Casa do Trem Bélico
Abrigo de parte do armamento militar do País no período colonial, a Casa do Trem Bélico foi construída entre 1640 e 1656. Suas características atuais datam, provavelmente, de 1734. O local foi reformado e reaberto em 2009. E é também a sede do Circuito Turístico dos Fortes, ação que tem a parceria da UniSantos.